Brasília é uma cidade que recebe influências de muitas culturas, e isso se reflete na produção artística da cidade. A música brasiliense tornou-se referência desde os anos 80, em várias fases, de Legião Urbana a Hamilton de Holanda.

Centropia nasceu do reencontro, 20 anos depois, de dois antigos parceiros musicais, Lauro Aires e Marcelo Lima. Navegando entre o rock´n roll, baião, reggaes,  Centropia é uma utopia do centro do Brasil. É uma entropia brasiliense, integrada numa visão contemporânea da MPB.

É basicamente um som de Brasília, onde as pessoas da geração de Lauro e Marcelo cresceram influenciadas pela cena internacional das embaixadas estrangeiras, pelo sotaque nordestino das feiras, pela culinária mineira, pelos ritmos de Bob Marley e, sobretudo, pelos acordes roqueiros.

A formação da banda engloba um pouco dessa diversidade. Lauro Aires (violão, guitarra e voz) assina todas as músicas, sendo várias em parceria com Marcelo Lima (bandolim, guitarra, violão e voz), arranjador e diretor musical do projeto, que vem com seu grupo Salto Triplo, formado por Fernando Rodrigues (Baixo, viola, percussão e voz) e Renato Glória (Bateria e percussão).

Em 2014, o Salto Triplo venceu o festival da Rádio Nacional com a canção Bora Lá. Em 2015, o álbum Centropia foi citado entre os melhores álbuns do ano por veículos especializados. O Centropia II vem agora com outros timbres e novas composições fundindo estilos brasileiro com sonoridade internacional.

A apresentação ao vivo conta tanto com o recém-lançado trabalho autoral como com interpretações de clássicos da música brasileira e internacional, de Beatles a Ednardo. De Milton Nascimento a David Bowie.